"Nossas dúvidas são traidoras e nos fazem perder o que, com freqüência, poderíamos ganhar, por simples medo de arriscar."

Willian Shakespeare

"Quanto ao mais, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é honesto, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se há alguma virtude, e se há algum louvor, nisso pensai."

Paulo de Tarso

segunda-feira, 2 de julho de 2012

Vanderlei L. Borkoski - Vaidade






Parafraseando as palavras do Rei Salomão no livro Eclesiastes, escrevi essa poesia.


Tudo é vaidade
Enfado e cansaço
Seu amor
Seu ódio
Seu rechaço

Tudo é vaidade
Seu cuidado
Suas palavras
Seu fracasso

Tudo é vaidade
A riqueza desvairada
A pobreza arraigada

Tudo é vaidade
Seu belo corpo, sua silueta
Seu carisma, sua pureza

Tudo é vaidade
Enfado e cansaço
O que sinto o que falo
O que penso e o que exalo
Verdade ou mentira
Guerra ou paz

Tudo passa, tudo é vaidade
Vida ou morte, tanto faz

Tudo é vaidade.


Vanderlei L. Borkoski

quarta-feira, 30 de maio de 2012

Machado de Assis - Bons amigos.



A quem sabe o valor de uma amizade, celebremos as palavras de Machado de Assis.




Abençoados os que possuem amigos, os que os têm sem pedir.
Porque amigo não se pede, não se compra, nem se vende.
Amigo a gente sente!

Benditos os que sofrem por amigos, os que falam com o olhar.
Porque amigo não se cala, não questiona, nem se rende.
Amigo a gente entende!

Benditos os que guardam amigos, os que entregam o ombro pra chorar.
Porque amigo sofre e chora.
Amigo não tem hora pra consolar!

Benditos sejam os amigos que acreditam na tua verdade ou te apontam a realidade.
Porque amigo é a direção.
Amigo é a base quando falta o chão!

Benditos sejam todos os amigos de raízes, verdadeiros.
Porque amigos são herdeiros da real sagacidade.
Ter amigos é a melhor cumplicidade!

Há pessoas que choram por saber que as rosas têm espinho,
Há outras que sorriem por saber que os espinhos têm rosas!]

Machado de Assis

segunda-feira, 21 de maio de 2012

Vanderlei L. Borkoski - Desabafo



Por vezes me pego cometendo o mesmo erro... O de compartilhar o que sinto e o que penso com as pessoas que me cercam.
Achando mesmo que vou ser compreendido, que tolo que sou. Confesso que por vezes me auto-comisero. Mas quem não sente pena de si mesmo em algum momento?
Por isso amo escrever, nesse momento, nesse espaço posso expor minha alma, de uma maneira única. Meus anseios e dúvidas, meus medos e meus remorsos são expurgados e exorcizados. Que saudades do que ficou pra trás...
Não sei se por que era bom, ou por mero saudosismo, talvez por uma falta de perspectiva quanto ao futuro frente a certeza do já vivido. Tantas incertezas sobre o que fazer, por que fazer e por quem fazer.Permanecer na normose social ou quebrar paradigmas, dar vazão para as fantasias, ainda que pueris.

Realmente não sei, mas uma coisa é certa: Preciso mesmo escrever...